25 outubro, 2008

Quando eu era criança,
sonhava ser personagem,
das histórias infantís.
Até aí, tudo bem!
Mas houve um tempo
Que desejei ser,
varinha de condão.
Logo depois a vassoura
da bruxa cruzando os céus.
Depois, quis ser tapete mágico
e sobrevoar castelos.
Cavalguei unicórnios, cavalo
alado e passada essa fase,
optei ser sereia. Não demorou
muito para ser conchinha jogada
na areia ao sabor das marolas.
Eu conseguia ser tudo isso
Porque possuía uma Lâmpada
Mágica na minha imaginação.
Eu podia ser o que quisesse,
mesmo que fosse por instantes.
Fui estrela cintilante,
Fui arco-íris bebendo água na
Fonte. Borboleta, passarinho e
Até vento eu fui.
O tempo passou, eu cresci mas,
a criança não.
Ainda possuo a lâmpada mágica,
da qual lanço mão quando é preciso.
Diante da minha impotência com
a dor da saudade... transmutei.
Sabe o que eu sou agora?
Eu agora “estou” CHUVA!
E Você? Está o que?
************************
>>>Maria Lúcia Bastos<<<





Um comentário:

Clara disse...

Você colocou toda doce e mágica poesia da infância neste poema...
Lindo lindo...assim como VOCÊ.